Medicina Tradicional Chinesa e Ocidental na luta contra o Coronavírus

Na Medicina Ocidental, parte de como os Médicos diagnosticam o Coronavírus (COVID-19), é analisando o RNA na garganta de um paciente. Na China, eles fazem o mesmo. Mas eles também usam o diagnóstico da Medicina Tradicional Chinesa.

Dr. Joy Yang é um Médico de Medicina Tradicional Chinesa em Blacksburg. Ela diz que o diagnóstico começa com o pulso de uma pessoa. Ela diz que “o paciente com coronavírus tem um pulso específico e incomum”.

Um pulso incomum fala muito na Medicina Tradicional Chinesa, assim como a cor e a aparência da língua da pessoa. Essas ferramentas de diagnóstico antigas são extremamente importantes no atual surto do Coronavírus.

“Quando você os combina, pode-se dizer que essa pessoa tem coronavírus, não gripe”, explica ela.

Na Medicina Ocidental, os médicos dizem que o que distingue o coronavírus da gripe é que o primeiro apresenta tosse seca e falta de ar. Os pacientes com gripe e Coronavírus terão febre, embora nem sempre esteja presente em casos leves de gripe.

O Dr. Joy Yang é professor da Universidade de Medicina Tradicional Chinesa de Chengdu. Ela diz que mesmo que um paciente com Coronavírus não tenha mais febre, isso não significa necessariamente que a pessoa se recuperou.

“Ainda precisamos ver se o pulso volta ao normal. Além disso, a língua deve voltar ao normal e as imagens da tomografia computadorizada devem voltar ao normal também. Então, com todos juntos, podemos dizer que essa pessoa está realmente recuperada. ”

Mas mesmo uma pessoa que se recuperou do Coronavírus, ainda pode ser capaz de espalhar a doença. Um estudo publicado por Wuhan no JAMA no final de fevereiro encontrou pessoas que se recuperaram e que no entanto, tiveram um resultado positivo para a doença.

Essas descobertas sugerem que pelo menos uma proporção de pacientes recuperados ainda pode ser portadora do Coronavírus.

Um comentário em “Medicina Tradicional Chinesa e Ocidental na luta contra o Coronavírus

  • 17/03/2020 em 15:09
    Permalink

    Como seria a língua nesse diagnóstico?

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.